Artigos

Adega Mãe comemora 10 anos e renova imagem

Dez anos depois da inauguração oficial e do lançamento do primeiro vinho no mercado, a AdegaMãe renova a identidade e reforça a génese marcadamente atlântica. Reforçar a marca Dory e investir numa nova gama de vinhos (de parcela) já são projectos a dar passos rumo ao futuro.

O tempo passa a correr. Quando no final de 2011, o produtor Bernardo Alves inaugurou o novo projecto familiar – a Adega Mãe – situada na Quinta da Archeira, em Torres Vedras (região de Lisboa), certamente nunca imaginou no sucesso que a sua adega viria a conquistar. Dez anos passados, não só se tornou uma referência na produção de vinho, mas também no sector do enoturismo, que tem vindo a crescer exponencialmente.

Para comemorar a data, a Adega Mãe apresentou recentemente a renovação da imagem, um rebrandig global com apresentação de uma nova logo marca e novos rótulos, que esteve a cargo de um dos ateliers de design mais reconhecido pelo sector do vinho - a M&A Creative Agency. Além disso, comunicou ainda o reforço da marca Dory e alguns vinhos de parcela que dão a conhecer a maturidade do projecto através do lançamento de produções limitadas. A renovação da imagem da marca valoriza assim a identidade atlântica influenciada pelo mar, situado a poucos quilómetros da propriedade, que define e inspira todo o projeto.  

A Adega Mãe nasce na família fundadora do Grupo Riberalves e a principal marca – Dory – surge, desde logo, como um tributo à herança portuguesa da pesca do bacalhau. Por isso mesmo, nesta renovação de imagem, os vinhos Dory assumem um protagonismo especial. Além da marca Dory, a extensa gama traz também à imagem fortes referências à inspiração do oceano, traduzindo sempre os atributos fundamentais que são o pilar do projeto: frescura e elegância.

A pesca do bacalhau fazia-se em pequenos barcos, os Dori. A embarcação continua a ser inspiração para a renovação da marca



«Este é um momento muito especial para nós, que acaba por traduzir toda a dinâmica e exigência associada ao projeto. Alcançámos muito em 10 anos, mas procuramos continuar a contribuir, da melhor forma, para a afirmação da Região de Vinhos de Lisboa, enquanto região diferenciadora, de qualidade e excelência. Os nossos vinhos atlânticos são cada vez mais procurados pelo mercado e todo o trabalho desenvolvido, ao nível do produto, da imagem e comunicação, só pode ser bem-vindo», afirma o CEO da AdegaMãe, Bernardo Alves (à direita na foto de entrada com o enólogo Diogo Lopes) .

«Sem dúvida é um orgulho fazer parte deste projecto desde o início e ter testemunhado este percurso. Agora é continuar a trabalhar para manter o nível de qualidade alcançado» disse Diogo Lopes, o enólogo na Adega Mãe.

O surgimento de novas referências marca também este momento comemorativo, fruto da maturidade alcançada e do percurso de experimentação desenvolvido pela viticultura e enologia ao longo de uma década. São eles os vinhos de parcela,  uma nova gama que surge para surpreender. Esta nova categoria vem agrupar expressões muito particulares do terroir da Adega Mãe, desde logo, o AdegaMãe Vinhas Velhas, um vinho 100% de Vital, de vinhas  situadas numa encosta em plena Serra de Montejunto, já lançado no mercado. Em breve, serão ainda lançados outros dois vinhos, um da casta Viosinho e outro de Pinot Noir, de parcelas também muito especiais.

Adega Mãe



Relativamente à restante gama da Adega Mãe, os vinhos Reserva serão agora designados com a marca Adega Mãe Reserva, em clara valorização dos vinhos submetidos aos melhores processos de vinificação e estágio. Entre as novidades, surgem ainda dois vinhos para distribuição exclusiva nas lojas online e física da Adega Mãe (Adega Mãe Castelão e Adega Mãe Vinha Experimental), potenciando canais de venda próprios. A marca entrada de gama Pinta Negra foi também totalmente renovada, crescendo ainda para novas referências (Reserva, Espumante e latas).

Visualize o novo vídeo da marca Dory aqui: https://www.youtube.com/watch?v=ZPqezOYLng8