Artigos

GWTO liderou a primeira edição da Cimeira Global do Enoturismo Responsável

A entidade que representa o enoturismo a nível mundial, GWTO (Global Wine Tourism Organization), liderou o primeiro encontro de debate para um Turismo Responsável que se realizou de 19 a 21 de Março, em Punta del Este, Uruguai.

Este evento, apoiado pelo Ministério do Turismo (Uruguay Natural), INAVI, as Intendências de Maldonado, Montevideu, Colónia de Sacramento e Canelones, bem como entidades privadas como as Bodegas Garzón, Enjoy Hotel e o Grupo Elis OPC, sublinha o compromisso da GWTO em promover o desenvolvimento socio-económico dos destinos vitivinícolas e elevar a globalização do EnoTurismo.

Na sessão de abertura, Arnaldo Nardone (Diretor MICE da GWTO), e Pablo Singerman (Vice-presidente da GWTO para a América Latina), enfatizaram a importância de organizar este evento internacional, um dos mais abrangentes até ao momento, que incluiu a participação de influentes personalidade dos sector, reuniões B2B, um congresso académico e uma exposição dedicada ao tema do Enoturismo.

Durante a sessão de boas vindas e honras oficiais, Eduardo Sanguinetti (Ministro do Turismo do Uruguai) e a direcção da GWTO, destacaram a oportunidade de, através deste evento, posicionar o Uruguai no mapa global do EnoTurismo. Sanguinetti não deixou de enfatizar a importância deste primeiro encontro para o avanço do EnoTurismo global e o posicionamento do Uruguai como um destino de EnoTurismo diferenciado. «Estamos muito satisfeitos em sediar este evento de grande importância internacional. Os nossos agradecimentos à GWTO por nos confiar a realização deste primeiro encontro de Enoturismo no nosso país. Este sector é um motor de desenvolvimento socio-económico das regiões vitivinícolas, uma plataforma de promoção da cultura local e uma ponte que fortalece os laços entre produtores, empresários e entusiastas do vinho de todo o mundo», afirmou.

Rafael Ansón, Presidente honorário da GWTO e da Academia Internacional de Gastronomia, afirmou que «a gastronomia tornou-se numa das motivações mais importantes do turista na escolha de um destino, um factor chave na promoção do turismo de qualidade. E, neste quadro, o Enoturismo é um dos seus grandes atractivos: Visitar as adegas, ver e passear entre as vinhas, provar os vinhos em harmonia com a gastronomia local, é uma experiência enriquecedora do ponto de vista lúdico, mas também cultural e histórico».

Por seu lado, o Presidente da GWTO, José Antonio Vidal (na foto de entrada, à direita, acompanhado do Ministro de Turismo do Uruguai, Eduardo Sanguinetti), completou os discursos dizendo que «o imperativo do Enoturismo Responsável é garantir o crescimento sustentável e preservar os destinos vitivinícolas para que as gerações futuras possam continuar a desfrutar e beneficiar destes destinos vitivinícolas». Aspectos que, segundo o dirigente, serão fundamentais para a escolha dos 1º Prémios GWTO para Destinos e Experiências Responsáveis. Isso envolve fazer escolhas conscientes antes, durante e depois da viagem, e requer um esforço colectivo dos viajantes, das comunidades locais, dos governos e da indústria do turismo, apoiando tanto as adegas responsáveis como os operadores turísticos responsáveis. Vidal destacou ainda «a importância essencial de sermos coo-petitivo (competindo através da colaboração) e da consciência dos empresários vitivinícolas de que o Enoturismo não é enologia nem viticultura, mas Turismo, um sector terciário, um sector de serviços e que, como tal, deve ser considerado como uma unidade de negócio independente gerida por profissionais no sector do turismo». O Presidnete da GWTO concluiu as suas palavras de boas-vindas com uma emocionante homenagem in memoriam ao professor Eduardo Fayos-Solà e à académica María Isabel Mijares García-Pelayo, ambos admirados e muito queridos pelos participantes e pelo setor em geral. Por último, Remo Monzeglio, Secretário Adjunto de Turismo do Uruguai, homenageou Piero Sattanino, o Melhor Sommelier do Mundo em 1971, pela sua notável carreira profissional e pelo seu compromisso com a educação através da Associação Italiana de Sommeliers.

Um programa de luxo

Planos Estratégicos Responsáveis, Branding, Associativismo, Comunicação, Design e Comercialização de atividades, a importância dos Operadores Turísticos e Formação foram alguns dos temas apresentados e debatidos por 80 autoridades de 16 países.

Os Presidentes de oito Associações de EnoTurismo, membros da GWTO, onde se inclui a Associação Portuguesa de Enoturismo (apeno), enfatizaram a sua importância como interlocutores entre os sectores público e privado, e apelaram também à responsabilidade por um futuro de bem-estar ambiental, político e sociocultural; A uma gestão e estratégica eficazes para atingir objectivos a nível mundial e à importância de fortes parcerias que permitam chegar mais longe. «Foi um prazer representar e apresentar a APENO neste importante evento internacional. O Enoturismo é um sector cada vez mais desenvolvido e estamos a trabalhar para que seja também cada vez mais organizado. Essa necessidade já é sentida por vários países, e Portugal não foge à regra, estando a APENO a fazer todos os esforços para que o enoturismo português se organize e seja uma referência a nível mundial», afirmou Maria João de Almeida, Presidente da APENO.   

Na cerimónia de encerramento, foram entregues certificados de afiliação aos novos membros do GWTO, diplomas às entidades colaboradoras e os prémios GWTO para casos de sucesso de Enoturismo Responsável ao Município de Montevideu como Destino Nacional; a Mendoza (Argentina) como Destino Internacional; e à Viña Santa Rita (Chile) como Experiência Internacional. Houve ainda Menções Honrosas à Viña Eden (Uruguai) como Experiência Nacional Responsável e ao EnoTurismo Extremadura (Espanha) como Destino Internacional Responsável.



Para o ano o município de Yantai, na China, foi anunciado como o próximo anfitrião do Summit 2025 (na foto, em cima, José António Vidal acompanhado da delegação chinesa).

Recorde-se que a GWTO e a GWTO Academy formam uma Rede Global de Empreendedorismo e Conhecimento em EnoTurismo, composta por entidades públicas, associações, estabelecimentos em destinos vitivinícolas e instituições académicas. O seu objetivo é promover o desenvolvimento socio-económico dos destinos vitivinícolas através de planos estratégicos, promoção da marca, programas de formação e certificações em sustentabilidade e qualidade do EnoTurismo.